Tuesday, October 02, 2007

NÃO DEIXES...


Não deixes que meus dedos se entrelacem
nos fios da saudade;
Não deixes que meus olhos entardeçam
na luz doutros olhos
nem que outros beijos sulquem a minha boca
se são os teus que ela procura...
não deixes que meus dedos se espraiem
noutra almofada
que meu corpo, ávido de carícias
estiole noutros braços
que minha alma
padeça as raivas da perdição
por ser doutro a cama, o corpo a essência...
não deixes que sequem em mim
as flores da recordação
os prados da esperança
os rios do amor;
não deixes que meus dedos
se entrelacem
nos silvados da dor!...


Maria Mamede

5 Comments:

At 2:28 PM, Blogger Meg said...

Surpresa, não é.
Porque de ti, Maria, tenho a ousadia de pensar que te conheço um bocadinho, aliás, pressinto-te mais do que te conheço.

E aqui há muita força e pouca resignação. Revolta e desafio...
Dizer-te que gostei é redundância.

Beijinhos

 
At 8:46 AM, Blogger De Amor e de Terra said...

É minha Amiga, quem como eu AMA tanta gente e tanta coisa e com tamanha força, ( e tendo o signo que tenho) é capaz de ser plácida tarde outonal ou dia de homérica trovoada, como as que em Maio costumavam quebrar árvores e penedos, nas matas da minha aldeia!

Beijos

Maria Mamede

 
At 3:18 AM, Blogger Maria Clarinda said...

Mais um poema maravilhoso que aqui vim descobrir. Este e todos os outros. Adorei
Jinhos

 
At 9:08 AM, Blogger Lumife said...

Um apelo para suster uma tentação...

Beijos

 
At 9:18 AM, Blogger Maria said...

Outro poema, igualmente belo, como nos habituaste...
Mas este levo-o comigo....
Obrigada...

Beijinho, Maria Mamede

 

Post a Comment

<< Home